Destaque

Purple Day é um evento global de conscientização sobre epilepsia que ocorre no dia 26 de março. Foi criando em 2008 por Cassidy Megan que na época tinha 9 anos no Canadá e desde então tem se espalhado no mundo. Nós da epilepsia descomplicada começamos em 2017 a fazer eventos na semana de 26 de março. Esse ano temos a gratificação de ter podido fazer mais. Começamos com palestras para profissionais de saúde no Hospital Universitário Antônio Pedro.     Segui-se no dia 26 de março uma live no Instagram que nos trouxe grande alegria.   Também foi possível fazer conscientização dos pacientes no ambulatório do Hospital Universitário...

  Há muito tempo, tínhamos vontade de desenvolver um aplicativo de diário de crise para os nossos pacientes. Conhecemos então alunas da PUC-Rio com esse mesmo desejo. Elas desenvolveram o aplicativo com nossa colaboração e, finalmente, o Epilapp está disponível gratuitamente para IOS. Segue o link: https://itunes.apple.com/us/app/epilapp/id1315207396?mt=8 ...

[vc_row row_type="row" use_row_as_full_screen_section="no" type="full_width" angled_section="no" text_align="left" background_image_as_pattern="without_pattern" css_animation=""][vc_column][vc_accordion style="accordion"][vc_accordion_tab title="O Que é Epilepsia?" title_tag="h3"][vc_column_text]É uma desordem cerebral do indivíduo que tem predisposição a ter crises epilépticas. Uma pessoa, para ser diagnosticada com epilepsia tem que: Ter tido pelo menos uma crise epiléptica. Ter muita chance de vir a ter outra crise no futuro. A crise não ter sido provocada por outra condição tratável (exemplo: infecção e diabetes) [/vc_column_text][/vc_accordion_tab][vc_accordion_tab title="O que é uma crise Epiléptica?" title_tag="h3"][vc_column_text]As crises que ocorrem no indivíduo com epilepsia são causadas por problemas na atividade elétrica e química cerebral. Existem diversos tipos de crises epiléticas que se manifestam como...

A epilepsia é uma condição na qual o cérebro tem predisposição a gerar crises epilépticas. Estas crises não possuem uma idade certa para seu início podendo começar em qualquer fase da vida. Existem dois momentos da vida que seu início é mais frequente: na infância e na terceira idade. Na maioria das vezes consideramos como epilepsia a ocorrência de pelo menos de duas crises epilépticas não provocadas com intervalo de 24 horas. Recentemente uma nova definição considera também a possibilidade do diagnóstico de epilepsia mesmo após apenas uma crise caso haja uma chance de recorrência maior que 60% como, por exemplo, ter um eletroencefalograma...

Sabe-se que a maioria das pessoas com o diagnóstico de epilepsia vai apresentar controle satisfatório de crises, entretanto cerca de 30 % apesar do uso da medicação correta vão ter dificuldade em obter controle de suas crises. Após o uso de duas medicações apropriadas e em doses adequadas e um intervalo de 2 anos pode-se considerar que a pessoa tem uma epilepsia refratária, que também pode ser chamada de difícil controle medicamentoso. Nesses casos faz-se necessária investigação mais profunda do quadro do paciente com objetivo de tentar identificar a origem das crises e poder oferecer outras propostas de tratamento além das...

Ressonância magnética de crânio: Exame de imagem indicado em todos os pacientes com epilepsia (salvo algumas exceções). Nos dá informações sobre possíveis lesões ou malformações que podem ser a causa da epilepsia. No entanto, o exame normal não exclui esse diagnóstico.   Eletroencefalograma (EEG) : Exame neurofisiológico indicado em todos os pacientes com epilepsia. Nos dá informações sobre o funcionamento elétrico cerebral e, consequentemente, as descargas epilépticas. É um exame de baixa sensibilidade (em torno de 30%), mas de grande especificidade.Isso quer dizer que um exame normal não exclui o diagnóstico de epilepsia, mas um exame com descargas epilépticas não deixa dúvida...

O que fazer? -É importante reconhecer a crise. Existem diversos tipos de crises e algumas podem ser difíceis de serem reconhecidas, por isso é importante que as pessoas que convivem com o paciente com epilepsia saibam como são suas crises habituais para que possam socorrê-lo prontamente. - Controle o tempo de duração da crise. A maioria das crises dura, em média, entre 2-3 min enquanto algumas só duram alguns segundos. Se a crise durar mais de 5 minutos, chamar uma ambulância. - Mantenha o paciente seguro e confortável. Remova objetos que possam machucá-lo, certifique-se que ele não bata com a cabeça no chão....

SUDEP, sigla para designar morte súbita em epilepsia, significa morte inesperada, súbita, não traumática, em uma pessoa com epilepsia, associada ou não a uma crise. Na avaliação pós mortem não há indícios de causas anatômicas ou toxicológicas que justifiquem. Ainda não se conhece o mecanismo responsável, porém existem evidências relacionadas a mecanismos autonômicos, pulmonares e cardíacos. A incidência varia de 1-2/1000 em pessoas com epilepsia, a 3-9/1000 naqueles com crises refratárias. Mesmo sem se conhecer o mecanismo fisiopatológico do SUDEP, sabe-se que existem pessoas com maior risco de desenvolvê-lo. Os principais fatores de risco conhecidos são: ● Início precoce da epilepsia ● Uso de...